Certificações EDGE e Procel: um guia para começar a entender certificações ambientais - Brain

Este site utiliza cookies para a análise de uso. Ao continuar navegando, você concorda com nossa Política de Privacidade.

Canal Brain

O maior portal de conteúdos sobre inteligência de mercado.

Certificações EDGE e Procel: um guia para começar a entender certificações ambientais

26/07/2021, 14:21

Por Letícia Pille

Se você trabalha no ramo da construção civil, engenharia, faz parte de uma construtora, incorporadora ou tantos outros braços desse setor, com certeza já ouviu falar muito sobre os novos moldes de construção que os empreendimentos modernos devem adotar.

Isso é: eles precisam ser sustentáveis. Com o meio ambiente cada vez mais em pauta, não é mais possível continuar empreendendo sem levá-lo em conta. Até porque, recursos naturais são finitos, e economizá-los significa não apenas um benefício para o planeta, mas é a garantia de que o mercado imobiliário poderá continuar crescendo e se desenvolvendo.

Nessa esteira, surge com força no setor uma alternativa por aqueles que pretendem ter diferenciais de peso nos empreendimentos: as certificações ambientais.

Mas o que são essas certificações, para que servem e como consegui-las?

Neste artigo, vamos falar um pouco sobre duas certificações – EDGE e Procel – sobre seus conceitos, diretrizes e ajudar você a aprofundar seus conhecimentos.

O que são certificações ambientais?

Como o nome já deixa bem claro, elas são certificados, ou selos, garantidos por empresas a projetos e construções que seguem alguns princípios ambientais.

Esses princípios são amplos e variados, que mudam de acordo com cada certificação, mas têm em comum o objetivo de diminuir o consumo de recursos como luz, água, energia elétrica e gás em vistas de reduzir o impacto no meio ambiente – e de quebra aumentar a funcionalidade dos projetos, refletindo também no melhor uso das áreas privadas e dependências do imóvel.

E não é apenas a natureza que tem benefícios com a adoção desse modelo. Empresas que optam por desenvolver projetos mais conscientes podem ver o impacto dessa decisão na redução do custo operacional, na otimização do processo produtivo, no acesso a novos mercados (principalmente aqueles com exigência ambiental) e ainda garantem um diferencial competitivo em relação aos concorrentes não certificados.

Mas vamos ao que interessa: qual a melhor certificação para seu empreendimento e como você consegue obtê-la?

O certificado EDGE

No mundo, cerca de 35% do consumo energético vem das edificações (IEA,2016). Já no Brasil, essa estatística sobe para 51% da energia consumida (BEN, 2016).

Segundo pesquisas, devido às questões de urbanização, deverá dobrar o número de edificações no mundo até 2050, e 96% deste crescimento terá palco em países em desenvolvimento.

Foi levando isso em consideração que surgiu o certificado EDGE (Excellence in Design for Greater Efficiencies). Presente em 140 países, a certificação começou a ser implantada em 2014 e é possível acompanhar todo o processo de requerimento online, de forma facilitada ao usuário.

A norma para garantir esse certificado é fazer com que seu projeto atinja uma redução de 20% em consumo de energia, água e materiais.

A EDGE se aplica para novas construções e retrofits de seis tipologias: Habitação, lojas/varejo, hospedagem, escritórios, hospitais e educacional.

As etiquetas do Procel Edifica (PBE Edifica)

Esta certificação, também chamada de etiqueta, teve origem no racionamento de energia ocasionado em 2001 e da Lei Nº 10.285 que dispõem sobre a Política Nacional de Conservação e uso racional de Energia.

O processo de etiquetagem é um pouco diferente da certificação. Enquanto para garantir a certificação você precisa atender os requisitos mínimos, o mesmo não é válido para a etiqueta, porque esta vai medir e vai “etiquetar” seu projeto ou produto de acordo com a qualidade.

É por isso que dentro do Procel/PBE Edifica existem níveis e trabalha através de 6 vertentes de atuação: Capacitação, Tecnologia, Disseminação, Regulamentação, Habitação e Eficiência Energética e Planejamento.

As etiquetas podem ser obtidas para edificações comerciais, de serviços e públicas e edificações residenciais. Para as edificações residenciais, existem três tipos de etiqueta: as unidades habitacionais autônomas (casas ou apartamentos), edificações multifamiliares e áreas de uso comum.

Para obter a Etiqueta PBE Edifica é necessário contatar um OIA – Organismo de Inspeção Acreditado. Os OIAs, pessoas jurídicas cuja competência é reconhecida pelo Inmetro, são legalmente habilitados a emitir as Etiquetas. Seus custos podem variar dependendo das características da edificação.

Neste texto, trouxemos apenas duas das diversas certificações possíveis. Cada uma possui características específicas e cabe a sua empresa decidir qual delas melhor se encaixa com a tipologia do seu projeto.

Veja também:

Destaque na mídia para pesquisa da Brain sobre o mercado imobiliário em 7 cidades e regiões do Paraná.

Temos sido destaque em alguns dos principais portais de notícias do Brasil, com nossas pesquisas e análises de mercado. Confira!

Meio Cheio, Meio Vazio

Afinal o que está acontecendo de fato e como será o desempenho do mercado imobiliário em 2021? Leia mais no artigo de Marcos Kahtalian.

Linha Verde de Curitiba: avaliação dos primeiros anos

A Operação Urbana Consorciada da Linha Verde está prestes a completar uma década e a questão que se levanta é: ela alcançou seus objetivos ou não?