Cinco razões para você cuidar da autoestima! - Brain

Este site utiliza cookies para a análise de uso. Ao continuar navegando, você concorda com nossa Política de Privacidade.

Canal Brain

O maior portal de conteúdos sobre inteligência de mercado.

Cinco razões para você cuidar da autoestima!

18/01/2021, 10:51

Adriane Werner

A autoestima está profundamente ligada às habilidades de comunicação pessoal. A pessoa que aprende a se gostar normalmente se comunica melhor. O processo inverso também é verdadeiro: a pessoa que se comunica com firmeza e assertividade provavelmente tem a autoestima elevada.

O motivo é simples: a boa autoestima nos leva à aceitação de nossas fraquezas e ao reconhecimento de nossas virtudes. Se o indivíduo tem boa apreciação de si mesmo e percebe que precisa melhorar sua comunicação, busca formas de desenvolver esta habilidade, em vez de trancar-se em si mesmo e evitar situações de exposição.

Há inúmeros pontos em que se pode perceber o quanto a boa comunicação depende da autoestima elevada (e vice-versa), mas destaco aqui cinco grandes motivos pelos quais você deve manter seu apreço por si mesmo, criando um ciclo virtuoso de desenvolvimento da sua comunicação:

  1. Pessoas com boa autoestima conseguem emitir opinião de maneira firme e assertiva, pois são mais confiantes e buscam respaldar seus posicionamentos;
  2. Elas normalmente aceitam melhor as críticas, pois não agem somente em função da aprovação do outro. Tendem a saber separar as críticas vazias das enriquecedoras e aproveitar as sugestões para melhorar cada vez mais;
  3. Essas pessoas têm, naturalmente, mais autoconfiança e, por isso, se permitem arriscar;
  4. Com mais autoconfiança, elas também têm menos medo de errar, pois já entenderam que podem – e devem! – aprender com seus próprios erros;
  5. Por gostarem de si mesmas, as pessoas com boa autoestima se expressam com mais entusiasmo e energia.

Por outro lado, as pessoas com a autoestima abalada desenvolvem o comportamento contrário, tendendo a se fechar, se retrair e se curvar:

  1. Têm dificuldades em emitir opinião, pois temem perder a aprovação e o acolhimento pelo grupo em que se expõem;
  2. Para evitar críticas, tendem a ter menos iniciativa, procurando viver à sombra de alguém que brilhe mais;
  3. Não são autoconfiantes e, por não terem apreço por si mesmas, não conhecem nem acreditam em seu potencial;
  4. Para não errarem, evitam se expressar;
  5. Quando precisam falar, transmitem fraqueza e insegurança.

É claro que todos temos momentos de euforia e forte apreço por nós mesmos e outros momentos em que ficamos com a autoestima abalada, mas é importante o esforço para mantermos esta curva sempre em alta. A autoestima é resultado de um profundo mergulho em nosso interior, formado por outras expressões que nos permitem olhar para dentro: autoconhecimento, autodesenvolvimento, autoconfiança. Quem se conhece e investe em si termina por se gostar…

Quer se comunicar melhor? Fale comigo!
adriane@adrianewerner.com.br – 41 9 9701-8070

Veja também:

Impactos econômicos da pandemia: incertezas sobre o mercado imobiliário e seus desafios

Baixe a apresentação completa: https://materiais.ebrainead.com.br/impactos-economicos-da-pandemia

Brain na Mídia
Adaptação e conforto: o que mudou na relação dos moradores com os imóveis durante a pandemia?

A necessidade de receber em casa todas as atividades que antes eram realizadas na rua não é uma realidade isolada…

Estudo aponta que as vendas de imóveis subiram 46% no primeiro semestre de 2021

O mercado imobiliário passa por um momento de ascensão no Brasil. Números do estudo ‘‘Indicadores Imobiliários Nacionais do 2º trimestre…