Dados do 3º trimestre de empresas de capital aberto animam setor imobiliário - Brain

Este site utiliza cookies para a análise de uso. Ao continuar navegando, você concorda com nossa Política de Privacidade.

Canal Brain

O maior portal de conteúdos sobre inteligência de mercado.

Dados do 3º trimestre de empresas de capital aberto animam setor imobiliário

26/11/2020, 15:14

Confira a seguir a mais recente análise dos balanços empresas de capital aberto listadas na B3

Na reta final de 2020, a Brain Inteligência Estratégica produziu mais uma análise dos balanços das empresas de capital aberto do setor imobiliário listadas na B3, baseado nos dados divulgados trimestralmente.

As análises são das empresas em conjunto, ou seja, uma análise setorial e foram feitas em períodos trimestrais, semestrais e anuais. Entre os indicadores selecionados para a análise estão Unidades Lançadas, VGV, Vendas Líquidas, Unidades Vendidas, Lucro Líquido, Ebitda, Margem Bruta e Margem líquida.

Os destaques do balanço você confere a seguir:

Unidades lançadas

Em análise trimestral, o 3º trimestre deste ano obteve resultados positivos, com um total de 32.880 unidades lançadas – alta de 25% em relação ao mesmo período de 2019. Unidades do Minha Casa Minha Vida aumentaram 16%, enquanto outros padrões tiveram um aumento ainda mais elevado, de 45%.

Em relação ao 2º trimestre de 2020, o 3º trimestre mantém o padrão ascendente, com um aumento de 66% de lançamentos do MCMV e 448% para os outros padrões.

Comparando os 9 primeiros meses de 2019 e 2020, os números totais de unidades lançadas caíram 6%. As unidades lançadas do MCMV também caíram, com 12% a menos. Contudo, outros padrões terminaram setembro em alta, com um aumento de 11% de 2019 para 2020.

Valor Geral de Vendas

O Valor Geral de Vendas também sofreu aumentos entre o 2º e 3º trimestre deste ano, subindo de R$3.032 milhões para R$8.466 milhões, um aumento de quase 180%. A alta foi de 72% e 411% para empreendimentos de MCMV e outros padrões, respectivamente.

Entre o 3º trimestre de 2019 e 3º trimestre de 2020, o VGV total subiu 38%, enquanto o VGV do MCMV aumentou em 22% e demais padrões, 55%.

Quando comparado o acumulado dos 9 primeiros meses de 2019 com o mesmo período de 2020,  houve uma queda de 11% no VGV total, passando de R$17.287 milhões para R$15.393 milhões. A queda foi de -10% para MCMV e -11% para demais padrões.

Unidades vendidas

Um dos aspectos de maior impacto econômico neste ano foi a baixa recorde da taxa de juros básica, que atingiu 2% ao ano, fator que favoreceu a venda de imóveis. Tanto foi o impacto que entre o 3º trimestre de 2019 e 3º trimestre de 2020, houve um aumento de 38% nas unidades totais vendidas.

Já quando comparado ao 2º trimestre de 2020, o 3º trimestre aumentou o número de unidades vendidas em 31%, passando de 22.702 para 33.681 unidades. A mesma tendência se observa na comparação entre os 9 primeiros meses de 2019 e 2020, com aumento de 19% no número total de unidades vendidas.

Vendas e lucro líquido

As vendas e lucro líquido também chamam a atenção por seu crescimento. As vendas líquidas passaram de R$5.569 milhões no 3º trimestre/2019 para R$8.614 milhões no 3º trimestre/2020 (+55%), enquanto, no mesmo período, o lucro líquido também aumentou, passando do negativo (-R$7 milhões) para líquido R$1.689 milhões.

Do 2º para o 3º trimestre de 2020, os números de vendas líquidas aumentaram em 64%, e o lucro líquido subiu R$1.452 milhões em um aumento de 612%.

Em comparação entre os 9 primeiros meses de 2019 e 2020, as vendas líquidas passaram de R$17.378 milhões para R$19.401 milhões (+12%), e o lucro líquido mais uma vez saiu do negativo, passando de -R$471 milhões para R$1.878 milhões.

EBTIDA

O EBTIDA refere-se ao lucro antes dos descontos dos juros, impostos, depreciações e amortizações. No balanço entre o 3º trimestre de 2019 e 2020, houve um aumento de 32% neste indicador.

Do 2º trimestre para o 3º, o aumento foi de 8%, totalizando lucros de R$764 milhões.

Já nos 9 primeiros meses de 2019, o EBTIDA foi de R$1.496 milhões, enquanto no mesmo período de 2020, o número subiu para R$1.875 milhões, caracterizando alta de 25%.

Margem bruta

Com relação à margem bruta do 3º trimestre de 2019 para o 3º trimestre de 2020, houve uma queda de 3%. Já quando a mesma é comparada ao 2º trimestre de 2020, os números fazem o movimento contrário, e demonstram um aumento de 11%, terminando setembro com 26% de margem bruta.

Na comparação entre os 9 primeiros meses de 2019 com o mesmo período de 2020, o aumento foi de 65%, totalizando uma margem que passou de 15% para 24%.

Margem líquida e margem líquida com ajuste

Do 3º trimestre de 2019 para o 3º trimestre de 2020, houve uma queda de 26% na margem líquida. Já na comparação entre o 2º e 3º trimestre de 2020, houve um aumento de 47%., chegando a -92%.

Quando comparado os 9 primeiros meses de 2019 com o mesmo período de 2020, houve um aumento de 39% na margem líquida.

Para a obtenção dos dados de margem líquida com ajuste, foram excluídas as empresas Gafisa, RNI, PDG, Viver, CR2, Tecnisa, Helbor e Rossi pois apresentam prejuízo por longos períodos, e o resultado mostrou um aumento de 11% do 3º trimestre/19 para o 3º trimestre/20 e de 23% do 2º trimestre/20 para o 3º trimestre/20.

Na conclusão da análise dos balanços, o que mais chama atenção é a forte retomada de lançamentos e vendas pelo segmento imobiliário no 3º trimestre, a despeito das adversidades impostas por um ano atípico como 2020.

Apesar das previsões pouco animadoras que víamos no começo do ano, logo no início da pandemia, o mercado imobiliário mostrou-se resiliente, e pronto para um 4º trimestre ainda mais promissor e preparado para 2021.

Veja também:

Brain na Mídia
5 passos para realizar o sonho da casa própria sem fazer dívidas

O sonho da casa própria é o objetivo de muitos brasileiros, mas, por baixo score, não possuir comprovação de renda…

Home office: como se tornar um profissional de resultados trabalhando em casa

Para muitos, trabalhar em casa já é algo comum. Segundo levantamento de 2018 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística…

Vendas de imóveis tombam 39% em abril, aponta pesquisa da CBIC

Pesquisa da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) feita a partir de amostragem de cidades das cinco regiões do…