| Tomada de decisões. Cada vez menos instinto. Cada vez mais ciência.

Este site utiliza cookies para a análise de uso. Ao continuar navegando, você concorda com nossa Política de Privacidade.

Canal Brain

El mayor portal de contenidos sobre inteligencia de mercado.

Tomada de decisões. Cada vez menos instinto. Cada vez mais ciência.

05/01/2021, 12:10

Por Rodrigo Corrêa de Barros

A construção civil é um mercado de altos investimentos e de sensibilidade aflorada.

Desde a sondagem dos terrenos, passando pelas pesquisas de vocação e mesmo de análise qualitativa, os empreendedores travam um constante diálogo com as variáveis que podem interferir diretamente no desempenho de um empreendimento.

Os elementos que envolvem a tomada de decisões em nosso segmento, tal qual a composição de uma sinfonia, variam de tom a cada mudança na legislação, a cada novidade político econômica, a cada novo concorrente que surge com uma estratégia comercial verdadeiramente inovadora: a análise de mercado é feita cada vez mais à lente do microscópio. Errará quem não olhar atentamente. Sobreolhar é preciso.

Decidir lançar um empreendimento imobiliário é um ato de extrema coragem e de fé na economia de um país que, definitivamente, nunca acorda do mesmo jeito que foi dormir.

Psicanalistas corporativos têm estudado a fundo os caminhos que percorrem os executivos até que se sintam confortáveis para tomar a decisão de inserir no mercado um novo produto. É quase unanimidade: as informações prévias colhidas por especialistas são o que oferece suporte psicossomático ao gestor que, amparado por elas, passa a tomar decisões estratégicas calçadas na correta intepretação de dados e na projeção de um panorama de mudança ou não dos dados que possui.

Já disse um dia o saudoso empresário João Zagonel, fundador da imobiliária Casaredo: “o tempo de jogar tarô terminou quando a crise de 1999 nos mostrou que era preciso saber o futuro de modo matemático”. 

O surgimento de construtoras e incorporadoras inexperientes – efeito colateral da baixa premiação do dinheiro aplicado em fundos de investimento – ao mesmo tempo que injeta vitalidade ao mercado, cria um abismo de sinais sociais e de consumo mal entendidos por parte de empreendedores que não precisam, mas gostam de arriscar a conta bancária. Quanto menos profissional a empresa, menos dados ela possuirá para tomar decisões relevantes.

Ainda que seja um mercado dinâmico, a construção civil dá origem a produtos de longa maturação, expostos aos riscos tradicionais por muito mais tempo que um produto industrializado, por exemplo. Depois de lançado, dificilmente um empreendimento permite correções e não há prototipagem. O teste de fogo, portanto, deve acontecer muito antes, com sondagens, pesquisas, análises de cenário e simulações de risco.

Tal característica, somada a alta velocidade das mudanças sociais, cria pressão sobrenatural sobre os executivos, só aliviada por dois aspectos: o uso da inovação – quando essa se mostra diferencial de elevado valor percebido pelos compradores – e a certeza de ter decidido por um caminho convalidado por dados matemáticos  e com cenários esgotados em reuniões multidisciplinares.

Ao executivo contemporâneo resta a sina de superar-se, de realizar o improvável, de encurtar a noção de tempo, de aprimorar suas decisões, tornando preciosos os resultados financeiros obtidos a partir de uma visão racional e científica. A era do instinto está, definitivamente, chegando ao fim.

O mercado imobiliário cada vez mais verticalizado, comandado por um consumidor de desejos voláteis e com um nível de exigência extraordinário, costuma execrar os equívocos na concepção do empreendimento, conferindo-lhe baixa atratividade comercial,  o que resulta em estática velocidade de vendas.

Esse fantasma de não vender bem é o pior tormento para um empreendedor e o levará ao inevitável caminho de elevar o custo por venda (ofertando prêmios e bônus aos corretores) e, no caminho contrário, depreciando o valor de venda das unidades.

Tomar decisões é uma das mais complexas atividades humanas. Exige fugir da zona de conforto pela janela estreita e segurar-se no presente para chegar ao futuro. E cada passo em direção ao objetivo exige nova decisão, novo exercício de escapulir do presente… Por essa razão, o hábito de “falar” com os dados é tão importante.

Fabricar o futuro é algo tão complexo quanto é construir um edifício!

*A opinião do autor não reflete necessariamente a visão da Brain Inteligência Estratégica.

Veja também:

[Relatório] Financiamentos com SBPE e FGTS – Agosto/2020

Tenha acesso ao relatório realizado pela Brain Inteligência Estratégica sobre os dados de financiamentos imobiliários com recursos do SBPE (Sistema…

Setor de compras: soluções para padronização no processo – PROPTECH TALKS com Paulo Maragno

Nessa Conversa de Mercado, nos encontramos com Paulo Vitor Maragno, Diretor de novos negócios da CONAZ, empresa que conecta construtoras…

Smartus Proptech

O Smartus Proptech Summit 2019 reuniu grandes nomes nacionais e internacionais para debater inovações que estão mudando a dinâmica do…