Modismo, o vilão do produto imobiliário - Brain

Este site utiliza cookies para a análise de uso. Ao continuar navegando, você concorda com nossa Política de Privacidade.

Canal Brain

O maior portal de conteúdos sobre inteligência de mercado.

Modismo, o vilão do produto imobiliário

16/09/2021, 15:26

Por Erick Takada

De maneira geral, as pessoas do universo corporativo confundem o significado de “modismo” e “tendência” e cometem graves erros gerando impactos não sustentáveis para a sociedade. 

A etimologia do “modismo”, que deriva da palavra moda, tem sua origem no francês mode, que significa hábito de uso efêmero, ou seja, que vem de maneira muito rápida e vai embora da mesma forma, expeditamente. Já a tendência é a transformação de algo que se fortalece com o tempo representando um novo modo de vida. 

pessoa andando patinete

Quem não se lembra dos patinetes verdinhos e amarelos que circulavam nas grandes capitais do nosso país? Alguém ainda acha um deles por aí? E os amigos que caçavam Pokémon e aglomeravam-se pelas praças do Brasil afora? Faz tempo que não encontro um caçador virtual desses… e pasmem, eles chegaram a ser 45 milhões conectados simultaneamente nos idos de julho de 2017, segundo a Apptopia1. Mas nem tudo é modismo e fica fácil entender: as redes sociais são uma tendência, enquanto o Snapchat, por exemplo, não passou de um modismo.

Fazendo analogia com o mercado imobiliário, devemos considerar que um produto tem duração média entre 50 e 100 anos, onde é absolutamente impensável desenvolver um produto baseando-se predominantemente em “modismo”. E tem gente que continua fazendo.

Quem não se lembra dos tão desejados condomínios clubes, com incontáveis itens de lazer: garage band, jazz bar, home theater, pet place e mais um monte de espaços com suntuosos nomes em inglês que compunham estes empreendimentos? Já deixaram de ser lançados aos montes há algum tempo por inúmeras questões como, por exemplo, excesso de veículos e até trânsito dentro da garagem, vida coletiva assoberbada, custo condominial nas alturas, enorme necessidade de manutenção, etc.

Prédio com várias janelas

Em contraponto, os mercados mais maduros entendem a longa duração dos imóveis. Veja o exemplo de Nova York onde os prédios são classificados como pré-guerra, construídos antes de 1947, e pós-guerra, feitos entre 1947 e 1990, com seus respectivos públicos cativos e que, independentemente da idade, continuam tendo liquidez mercadológica.

Em meio ao caos que vivemos, muitos acreditam que os impactos da pandemia são tendências. Será? Realmente precisaremos de um espaço dedicado exclusivamente ao home office nos próximos anos ou décadas? E a preferência por casas ante apartamentos, vale para todos ou é apenas um movimento temporário?

Mesa de escritório com cadeira e computador

Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, o IPEA2, o contingente médio de trabalhadores brasileiros que tiveram o privilégio do trabalho remoto em 2020 foi de 8,2 milhões de pessoas, sobre uma média total de 74 milhões de trabalhadores ocupados e não afastados, ou seja, apenas 11% da população formalmente empregada. Somente com o fim da pandemia ficará claro se esta modalidade de trabalho é de fato uma tendência ou apenas um modismo, ainda que provocado por uma situação de saúde pública.

Vale destacar que o ativo imobiliário tem a tendência de valorização ao longo do tempo. Esta valorização deu-se a uma média de 15,3% ao ano, de 2009 a 2019, segundo a ABRAINC3, Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias. Já o PIB teve um pífio crescimento anual médio de 0,26% na década compreendida entre 2011 e 2020, segundo o IBGE4, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, e é a pior performance desde 1900 no Brasil. Isso quer dizer que, em média, o tamanho do imóvel que o brasileiro pode comprar é cada vez menor.

A reflexão a ser feita é se realmente precisamos destinar espaços dos lares, por vezes tão valiosos, para as atividades que podem ser passageiras. Até que ponto, as interferências dos modismos podem levar o público a escolher mal o imóvel ou mesmo levar ao desenvolvimento de produtos que ficarão em obsolescência em poucos anos?

Entender a diferença entre modismo e tendência talvez seja crucial no mercado imobiliário, já que os imóveis ficarão aqui para além da nossa geração.

Veja também: