| Na teoria, a prática é outra?

Este site utiliza cookies para a análise de uso. Ao continuar navegando, você concorda com nossa Política de Privacidade.

Canal Brain

O maior portal de conteúdos sobre inteligência de mercado.

Na teoria, a prática é outra?

11/11/2020, 12:51

Por Letícia Tiboni

Muitas vezes percebo nas pessoas uma certa dificuldade em conseguir fazer um link do que se estuda nas universidades e escolas de negócio com o que vivem no ambiente de trabalho. Parece que o que está nos livros ou o que é falado em sala de aula está distante do que se consegue aplicar no dia a dia das empresas. Vejo muita gente dizer que a teoria e a prática são diferentes. Será? Se a teoria escrita não vem da prática vivida e estudada, vem de onde? Imagino que você já tenha ouvido ou até vivido algo semelhante. Mas por que surge essa falácia?  

Entendo que a principal razão tem justamente a ver com a pequena variedade de assuntos a que as pessoas se dedicam a estudar. Normalmente leem ou são apresentados a alguns temas que são mais comuns ou estão na moda (Sim, existem muitos modismos no mundo dos negócios) e os querem aplicar em qualquer situação, sem analisar o contexto, a cultura da empresa, as pessoas. E aí, realmente, as coisas parecem que não se encaixam e a teoria fica com uma cara diferente da prática.

Mas se é diferente, então não vale estudar os temas ligados a gestão de empresas e planejamento? Pelo contrário. Quanto mais se sabe, estuda, compartilha, vive e compara, mais assertivo você vai ser nas suas escolhas e decisões. Saber encontrar o que já foi vivido e trabalhado em situações semelhantes ao seu momento, certamente ajudará na escolha de ferramentas e soluções de problemas. Usar o que já foi testado e evitar erros já cometidos anteriormente por outras pessoas e organizações pode ser uma grande vantagem competitiva. Pode tornar suas ações, decisões e planejamento muito mais maduros e assertivos.

Agora, depois de elaborar um planejamento bem estudado e estruturado, devemos segui-lo à risca, certo? Errado! Vejo muita gente reclamar: “Na empresa onde trabalho, eles não cumprem com o planejamento que fazem.” Será? E será que isso é errado? Situações como essa costumam incomodar muita gente. Afinal, eu fiz o plano, analisei todos os aspectos, me esmerei em escrevê-lo e não vou segui-lo à risca por quê? Esse é um outro pensamento errado, que pode nos levar a caminhos sinuosos.

Por diversas razões os planejamentos precisam ser acompanhados e revistos com frequência. As causas mais comuns de erros do planejamento são:

  • Os cenários podem ser muito bem estudados, avaliados e considerados, mas eles mudam. Estamos vivendo o maior exemplo disso: um momento de pandemia mundial, que certamente não constava no planejamento estratégico das empresas. Se você não considerou isso no seu planejamento, ele certamente teve que ser mudado.
  • Nós erramos na definição das nossas estratégias. Sim, quando planejamos, tentamos “prever o futuro” com base nas nossas experiências. Mas nem sempre conseguimos. Além da mudança de cenários, temos também todo um contingente de pessoas ao nosso redor, que nem sempre tem um comportamento igual ao que previmos: clientes, fornecedores, concorrentes, funcionários.

O que fazer quando acompanhando as ações que planejamos, percebemos que não estão sendo efetivas? Parece claro que a melhor solução é rever o plano, afinal, não podemos ter compromisso com o erro. Assim que percebemos que não estamos no caminho certo, não devemos ter apego ao planejamento escrito. Muita gente erra e continua errando por puro apego ao trabalho já realizado.

Em situações assim, novamente vemos a necessidade do vínculo íntimo entre o que está escrito e planejado com a realidade do dia-a-dia. Assim como a teoria e a prática precisam estar interligadas e se retroalimentando, o mesmo acontece com o planejamento e sua execução.

Gostaria de terminar refletindo sobre a pergunta título deste artigo: na teoria, a prática é outra? As teorias são registros de experiências vividas. Podemos compará-la a mapas. Se estamos transitando na mesma região que um mapa nos mostra, ele certamente nos será útil. Mas se estamos usando um mapa de uma região distante da que estamos, certamente não fará sentido. Também pode ser que ao longo do caminho, encontremos mais detalhes que podem ser acrescidos ao mapa que já temos. Então, antes de dizer que as teorias não refletem o que acontece na prática, que tal verificar se você não está usando o mapa errado?

*A opinião do autor não reflete necessariamente a visão da Brain Inteligência Estratégica.

Veja também:

Do início ao fim: a estratégia da diferenciação

De que adianta um projeto arquitetônico bem feito, mas mal localizado? Ou, ao contrário, bem localizado, mas mal feito? É necessário ter visão estratégica.

O Reajuste de Tierras, a Integración Inmobiliaria e o Mercado Imobiliário na Colômbia

Confira a como o Reparcelamento funciona na Colômbia, onde recebe as seguintes denominações: Reajuste de Tierras e Integración Inmobiliaria.

Investidor imobiliário brasileiro: prazer em conhecê-lo

Entenda mais sobre o investidor imobiliário, suas características e objetivos.