Otimismo x Pessimismo: porque nem sempre o melhor é ser otimista - Brain

Este site utiliza cookies para a análise de uso. Ao continuar navegando, você concorda com nossa Política de Privacidade.

Canal Brain

O maior portal de conteúdos sobre inteligência de mercado.

Otimismo x Pessimismo: porque nem sempre o melhor é ser otimista

19/05/2021, 13:47

Por Letícia Tiboni Araujo

Ser otimista é mais agradável

Não tem nada mais chato do que conviver com um pessimista. Aquele que sempre acha que as coisas vão mal, e ainda podem piorar! Estar próximo a uma pessoa que pensa positivo, que acredita no lado bom das coisas e tem uma perspectiva positiva do cenário é muito mais agradável. Nos deixa mais felizes, mais alegres e confiantes.

Tem uma pessoa que trabalha comigo que é exatamente assim e desenvolver atividades com ela é sempre muito gostoso e produtivo. Esses dias estávamos planejando um evento da empresa e eu questionei: e se isso der errado? Ao que ela me respondeu: “Não vai dar! Temos que pensar sempre positivo, não?!” É nesse ponto que quero chegar com essa reflexão. Não! Não temos que pensar sempre positivo. Essa pode ser uma grande armadilha para um gestor de empresa. O bom gestor deve estar minimamente preparado para aquelas coisas que podem dar errado. Não se entra em um carro pensando que vai acontecer um acidente, mas sempre se coloca o cinto de segurança.

No dia a dia da organização de uma empresa é papel do gestor pensar no que tem chance maior de dar errado e preparar a equipe. Aquele que não desempenha bem esse papel, vive em meio a tensão e a insegurança do time, isso porque coisas erradas acontecem. Problemas de comunicação, de tecnologia, de pessoas, de logística, ou simplesmente acidentes ou imprevistos que podem desestruturar totalmente o trabalho planejado.

Gostaria de destacar aqui alguns momentos em que focar em pontos que podem dar errado (ou se preferir, ser um pouco pessimista) é essencial.

  1. Planejando

Em todos os momentos que envolvem um planejamento prévio de atividades, desde um pequeno plano de ação até o planejamento estratégico da empresa. Sempre considerar ações de verificação para pontos de dúvida que podem gerar impacto significativo no resultado. Pode envolver desde atividades muito simples como o reenvio de uma informação para garantir a comunicação eficiente, até a redundância de equipamentos ou sistemas. Quando estiver planejando, também é válido considerar o cronograma sem apertar muito os prazos. É importantíssimo que o prazo seja factível.

  • Definindo Orçamento

Para orçar os gastos da sua área ou empresa, é melhor considerar uma pequena folga, que leve em conta eventuais imprevistos que venham a acontecer. Os bons orçamentos devem ser justos para garantir eficiência, mas não podem desconsiderar pequenos desvios. Avaliar esses valores adicionais torna-se ainda mais relevante quando o orçamento é para avaliação de viabilidade de uma ação ou projeto. Ser otimista demais na estimativa de gastos pode quebrar empresas. Atenção especial quanto mais apertado estiver o resultado esperado.

  • Organizando eventos únicos

Quando o que se está planejando tem possibilidade restrita de correção, a atenção com os riscos e planos de contingência devem ser redobrados. Isso acontece com festas, viagens, eventos em geral, algumas reuniões específicas muito importantes, audiências, atividades críticas em projetos, entre outros.

  • Elaboração de contratos

Contrato é “o lugar” de ser pessimista! Aqui, antecipar as dificuldades e erros é a regra. Quanto mais se conseguir antevê-los, melhor o contrato. A dificuldade aqui é sempre chegar ao nível de equilíbrio onde o acordo entre as partes seja possível.

  • Segurança

Não poderia deixar de fora dessa pequena lista a questão de segurança. Aqui considera-se tudo: segurança do trabalho, das pessoas, da informação, patrimonial. Importantíssimo nesses casos é pensar na relação entre o impacto do problema x custo para evitá-lo x chance de ocorrer.

Então, quando é melhor ser otimista?

Nada melhor do que conviver com quem pensa positivo e acredita que as coisas vão melhorar! Essa energia positiva contagia tudo que está ao seu redor. Então, tente ser um otimista em todos os outros momentos que não os citados acima.

Incentivar as pessoas quando estão desenvolvendo um trabalho, ou criando novos projetos pode fazer uma diferença brutal no resultado obtido. A motivação e a crença de que se chegará a um resultado melhor, normalmente leva a uma produtividade muito maior. É claro que o otimismo e incentivo sem embasamento torna-se frágil e até tolo. Quem sempre fala e acredita que tudo vai dar certo, sem critério, acaba sendo tão desconsiderado quanto aquele que reclama de tudo.

Não posso também deixar de comentar aqui que um gestor otimista jamais pode deixar de fazer um bom acompanhamento dos trabalhos e fazer correção de rotas quando necessário. Otimista sim, mas sempre com os pés no chão e atenção aos riscos.

Para concluir essa reflexão, sempre que queira vender um produto, um serviço ou uma ideia, misture esses dois ingredientes: bons argumentos com uma boa pitada de otimismo!! Tenho certeza de que essa receita será um sucesso!

Veja também:

Investidor imobiliário brasileiro: prazer em conhecê-lo

Entenda mais sobre o investidor imobiliário, suas características e objetivos.

Relatório CAGED – Dezembro/2020

Tenha acesso ao relatório realizado pela Brain com base nos dados do (CAGED) referentes ao mês de Dezembro de 2020.

RELATÓRIO CAGED – JANEIRO/2021

Tenha acesso ao relatório realizado pela Brain Inteligência Estratégica com base nos dados do CAGED referentes ao mês de Janeiro de 2021.